Dom Will

Ars Gratia Artis

Mês: setembro 2014

Saudosismo

“Foice” o tempo…

 

=Dom

Onomatopéia

Sempre que vejo um cavalinho trotando
lembro da história de José no Egito:
“Potifar, Potifar, Potifar…”

 

=Dom

Poema para se ler das nuvens

Antes que o mundo acorde,
bem pela manhãzinha,
a cidade iluminada
mais parece um pinheirinho
de natal que tombou no chão…

=Dom, JJ3100

O jantar de meus trinta anos

No jantar de meus trinta anos
Comi com assombro a tristeza
Que me serviste num prato

Sorvi cada gota de tua incerteza
E limpei minha boca nas mangas
Duma razão rota e desafetada

No jantar de meus trinta anos
Não tive fome
Não tive sede
Nem tive nada

Comi, bebi, chorei
E depois fui dormir
perguntando de que valeram
os muitos versos que compus

Nos meus trinta anos jantei sozinho
E não havia ninguém para lavar os garfos
ou raspar a gordura das panelas

Nos meus trinta anos jantei sozinho
E nem todos os galos do mundo
Me fariam acreditar no amanhecer

No jantar de meus trinta anos
Havia os poemas e era tudo o que havia
(…)
Era tudo o que havia
No jantar de meus trinta anos

 

=Dom
____
3h55, Ribeirão Preto, no jantar de meus 30 anos

 

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén