Me perguntaram – e não apenas uma vez – o porquê de escrever poemas. Nunca soube a resposta, talvez nunca saberei. Mas nestes dias de longas viagens minha mente faz suas digressões autônomas e esta pergunta tem sido tema recorrente.

Acho que, em primeira instância, escrevemos porque existimos e a existência deve ser suficiente motivo para justificar a “Ars Poetica”.

Talvez escrevamos porque estamos cansados do sistema. Porque, embora ainda não o tenhamos visto completamente, já vimos mais do que desejaríamos ter visto.

Talvez os labirintos do léxico sejam um emaranhado canal onde a voz da alma, ainda que deturpada pela palavra, pode se fazer ouvir.

Ou, quem sabe, escrevamos porque podemos e ponto! Porque não abrimos mão do direito de usar a linguagem – e, muito especialmente, não abrimos mão do direito de usá-la como bem entendermos.

Talvez escrevamos para nos diferenciar – odiamos a idéia da igualdade. Ou, vá saber!? Talvez escrevamos para nos nivelar, para que possamos todos ser iguais.

Talvez não seja nada disto, e escrevemos apenas porque existem linhas e alguém tem de preenche-las com tinta.

Ou ainda, talvez, escrevamos porque não sabemos pintar, nossa voz é esganiçada e somos péssimos com esculturas.

No fim assumo não conhecer a resposta. Mas tenho uma teoria: Talvez – e nisto acredito – seja exatamente este “não saber” que torne nossas linhas interessantes. Arte pela arte, senhores, e ponto!

____

=Dom, nalgum lugar nas nuvens entre Minas e Catarina, a santa.

“Escrevo poemas porque os poemas passaram muito de seus anos me escrevendo, talvez tenha chegado a hora de retribuir a gentileza”…