Dom Will

Ars Gratia Artis

Mês: outubro 2013

Wormhole

No paradoxo existencial
De teus olhos
Contemplo meus dias.

Fenda louca no espaço-tempo.
Espelho taciturno que
Reflete quem não sou.

Passado e futuro
Coexistindo em uma
Perturbadora harmonia.

Nesta óptica, perco a razão!
Já não há tempo.
Não há espaço.

Teus olhos,
Em um instante, em mim,
Mais que uma vida!

=Dom

Dialética

Alguma antítese
era, perdida.
Trazia na pele
A cor da noite
E nos olhos o meio dia.

Nunca soubera que,
De quando em vez,
Emprestava-me o corpo
Para ser inspiração.

E inspirava (…)
Tornava-me lições de poesia.

A folha, o livro digital,
Supunham-me poeta.
Mal sabiam que os versos voavam.

Não era poeta,
Eu não criava.
Nas linhas lógicas,
Eu transcrevia.

Era, a antítese,
A fonte de todas
As palavras.

=Dom

Meninas cinzentas

Meninas cinzentas, retinas molhadas.
Trazendo na face o engano febril.
Ébrias estátuas de cores funestas.
Marchando pra morte nos chãos do Brasil.

Nas cores ostentam a sua alegria,
Pintando São Paulo colorem o Rio.
Em negras lamúrias suas almas vazias,
Lançam cantos mudos aos céus do Brasil.

Mudas retinas, cinzentas mulheres.
Funestas estátuas de canto febril.
Meu Deus dos poetas salvai as mulheres.
Meu Deus dos poetas salvai o Brasil.

(…)

Para que nossos filhos tenham o que cantar…

=Dom

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén