Dom Will

Ars Gratia Artis

Categoria: Logos Page 1 of 5

Fome

A tristeza é a fome
O vazio da barriga que pulsa
É o peito que alma não come
O silêncio que a boca não busca

A tristeza é a avareza
Duma mesa não posta na ceia
A dureza da louça que anseia
A comida que o riso não serve

A tristeza é o prato vazio
De desejo sentido e vontade
É o sabor do que nunca se viu
É da vida presente, a saudade

É um verme que roi em lamento
A ferida duma alma que clama
É a criança que chora ao relento
Tempestade que o tempo derrama…

=Dom

Hai-Cai

Semanas
são apenas
dias
agrupadinhos de
sete em sete.

=Dom

Anatomia

Eva não tinha umbigo!

=Dom

Abracadabra

Alfredo Casimiro me contava que o mundo era como um número de mágicas. Dizia que havia os ilusionistas e havia a platéia e que – como numa dança – as vezes os papéis eram permutados:

– Hora a platéia assume o palco, meu bom amigo, hora é o palco que assume a platéia…

Como eu não conseguisse compreender a extensão de seu pensamento, Alfredo me narrou um causo para ilustrar:

– Há tempos morei pelo Sul e lá ocorreu uma passagem que me explica bem o pensamento: pois veja que havia uma tal Fulana que não se casou de branco. Era a própria encarnação da pureza, a bendita, mas o branco não lhe descia bem. Escolhera casar de vermelho. Taxaram-na: “vulgar”, “messalina”, “prostituta”. Por fim as maledicências acabaram por lhe expulsar do convívio social – uma indignidade!

– Sicrana, outra paroquiana do mesmo bispado, casou-se de branco. Era moça tão “gentil” que “alegrara a cama” de meio mundo de rapazes… Mas como lhe vestia bem o branco! Parecia um anjo de candura!
Como lembrasse a santa, a convidaram para dirigir o grupo de noivas da igreja.

– Vá entender, meu amigo, como fosse obra de prestidigitadores tudo o que ambas foram na vida desapareceu aos olhos da platéia. O “respeitável público” se atentou somente a cor dos vestidos de casamento. Foi com base nas cores que construíram o julgamento, a sentença e sua execução…

(…)

Ouvi Alfredo com atenção e tive de dar razão a suas idéias. O mundo é mesmo um espetáculo de mágicas. E preciso acrescentar: um espetáculo com uma enorme, desatenta, e precipitada platéia…

=Dom

_____
Micro conto de “sala-de-espera”

Estudos Curitibanos

O trem apita na Ferrovia, quase não o consigo ouvir do meu quarto de hotel. Abro a janela para que apite mais alto. Deixo soar seu apito, deixo entrar sua insistência estridente e o vento se enfia pela fresta descoberta. Faz frio em Curitiba e o velho céu continua acinzentado.

Já cumpri com meus compromissos e agora nada resta a não ser rememorar os dias passados.

– A noite é uma criança, me diz um luminoso piscante.
– Já cresci há eras, me lembra o relógio intransigente.

Não estou em casa, não há praias por aqui. Mas há poemas, e escritores, e amigos e cafés…
Curitiba é também minha terra. Não fossem as saudades daqueles olhos de planetas, quem sabe estaria em casa agora…

(…)

Esses pinheiros centenários, essa neblina branca e densa. Penso em quanto conhece estas madeira, quanto já viram da história desta nação submissa e estranha.

É hora – de novo este relógio insistente – fecho a janela para que não entre mais o vento.
A esta altura já não há mais apito e tudo em que consigo pensar é na sabedoria estóica daqueles pinheiros centenários.

=Dom

Vassalos do Tempo

Quisera o amanhã chegar-se no hoje
Para na fenda do tempo encontrar no espaço
Teus olhos perdido no nada que fui

O tempo, senhora, é de si mesmo carrasco
E o espaço, uma mera substância da poética
metafórica da vida essencial

Nós, os vassalos das coordenadas,
remimos no espaço o tempo que nos domina
– somos do tempo escravos –
E no espaço, timidamente, exprimimos nossa
Performance do Mouro de Veneza,
ou da Bahia, ou da cidade que nos melhor convir

O espaço, criança, é o palco de nossos dias
e o tempo faz às vezes do gordo birrento
que decide quando é hora das cortinas se fecharem,
das luzes se apagarem e da platéia seguir-se
aos aplausos esparsos e de pouco entusiasmo…

=Dom

Palavra Crua

Poesia é palavra nua vestida em gala
É palavra crua em pêlo, pele e cetim
É sexo sagrado entre artista e linguagem
É sentido escroto estampado em marfim

Poesia é rota de sentimentos
Impressa no léxico a ferro e facão
É o louco voar que se guia nos ventos
É o fogo e a água em um só turbilhão

É a criança que morre e nem chega a nascer
Fotografia do olhar atento de um cego
É o berço indigente do rico que nasce

A pobreza abastada do pobre que sonha
É a arte na veia do triste que escreve
É a morte na vida é o sangue em canção

=Dom

Das profissões

Atores são mentirosos profissionais;

Advogados são “irmãos mais velhos” profissionais;

Jornalistas são fofoqueiros profissionais.

=Dom

Ars Poetica

Me disseram, alguns teólogos,
que gasto muito de meu tempo
lendo poesia.

Estão claramente errados!
Na verdade, é a poesia que
gasta muito de seu tempo
me escrevendo…

=Dom

Reducinismo

Quando eu era mais jovem, as crentes não usavam calça.
Hoje, com toda a evolução das coisas, para manter as tradições,
quase não usam roupa alguma…

=Dom

Page 1 of 5

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén